Podcast: Novo episódio - As possibilidades e caminhos do UX Design no Mercado Nacional

BlogDesignLivros

Livros: Design Centrado no Usuário

Capa do livro Design Centrado no Usuário

Fala, galera! Decidimos trazer aqui mais um livro super bacana para a área de UX Design, o livro da vez é Design Centrado no Usuário de Travis Lowdermilk 😉

Design Centrado no Usuário

Travis Lowdermilk, em sua obra Design Centrado no Usuário: um guia para o desenvolvimento de aplicativos amigáveis, percorre os caminhos essenciais para a compreensão dos princípios básicos do design voltado ao atendimento das necessidades dos usuários.

Utilizando-se de ferramentas do universo UX (User Experience), como entrevistas, grupos de foco, testes de usabilidade, criação de personas, documentação de processos, avaliação heurística etc, o autor ensina, de modo rápido e direto, todos os conceitos da pesquisa até o desenvolvimento de um app.

Desmistificação dos termos

O primeiro capítulo se dedica a uma explanação geral dos termos adotados em um projeto de Design, abordando as diferenças de sentido entre as palavras Design Centrado no Usuário (DCU), User Experience Design (UX), Usabilidade e Interação Humano-Computador (IHC). Além disso, Travis desmistifica o processo centrado no usuário ao quebrar achismos e pressuposições comuns quando falamos nesse assunto.

Gráfico sobre a relação entre usabilidade, IHC, DCU e UX

Por exemplo, DCU não é formado apenas pela disciplina ampla do design; sua aplicação envolve o comprometimento de um time integrado de profissionais e outras áreas do conhecimento, principalmente pelas áreas humanas da sociologia e antropologia, além da ergonomia e programação.

DCU também não é subjetivo: a intenção do designer vai além da estética – que é realmente um elemento importante da experiência do usuário (UX), mas não é a única e muito menos a de destaque.

Por conseguinte, DCU não é perda de tempo, pois é somente a partir de uma profunda ligação com as angústias dos usuários que se projeta uma verdadeira experiência a qual atenda suas exigências e realmente faça diferença no dia a dia.

Afinal, os questionamentos comuns de um processo de design, por mais técnicos que sejam – devo utilizar este tipo de botão? Que linguagem de programação devo usar? O que devo incluir no meu portal? -, são respondidos simplesmente pelos indivíduos que utilizarão seu produto.

Tipos de usuários

Outro aspecto interessante apontado por ele são os tipos de usuários: em uma escrita cômica e centrada, Lowdermilk determina os clientes e utilizadores de produtos mais complicados de lidar, como os “informantes exagerados”, “obcecados por controle” ou ainda “o advogado do Diabo”.

Segundo ele, é necessário compreender como cada personalidade funciona e agir de modo a amenizar seus danos colaterais, fornecendo atenção suficiente para cada um e estabelecendo um tipo de jogo de cintura – uma questão muito importante no momento de coleta de dados ou entrevistas.

Conclusões

Travis explora, assim, as nuances que encontramos ao projetar experiências em formato de aplicativos ou sites, focalizando essencialmente nas necessidades e requisitos dos usuários. 

Sua longa lista de documentação auxilia em todas as etapas do projeto, facilitando a absorção mais completa do conteúdo, bem como a disponibilização de um resumo para cada capítulo e sugestões de conteúdo ao final. Modelos de documentos citados também são registrados no livro, de modo a exemplificar a aplicação de personas, manifestos, detalhes do projeto, requisitos do usuário e muito mais.

Assim, é um ótimo material para quem está começando no mundo do UX Design e deseja compreender os princípios norteadores e as ferramentas básicas utilizadas de qualquer aplicação que envolva um uso por um indivíduo específico.

Por que ler este livro?

Acreditamos que Design Centrado no Usuário aborda de uma maneira muito clara e simples os caminhos básicos necessários a qualquer profissional de UX Design iniciante; sua abordagem constantemente se encontra em um equilíbrio entre as necessidades do usuário e as necessidades do negócio, pautando-se em métricas, pesquisas e protótipos para a projetação eficiente de um produto. Além disso:

  • Travis Lowdermilk é um profissional de UX Design nativo da Microsoft, atuando em equipes multidisciplinares e evangelizando a disciplina ao longo de sua carreira;
  • Os capítulos se dividem em uma ordem clara e progressiva de introdução ao assunto, entendimento dos usuários, planejamento, ferramentas de pesquisa e implementação, testes, protótipos e recolhimento de feedbacks, formando um ciclo de vida de projeto muito didático e próximo a de um profissional do mercado;
  • O storytelling é apresentado como uma ferramenta muito poderosa dentro do Design, como já foi evidenciada pelo método do Design Thinking e da área do Audiovisual;
  • É um livro muito recomendado por profissionais como Daniel Furtado e professores universitários;
  • Introduz conceitos básicos, de modo a contribuir para a reflexão de como fazemos projetos e de que modo devemos exercitar nossa criatividade no cotidiano corrido e submisso ao tempo.

É isso, pessoal! Espero que tenham gostado! Não esqueçam de conferir o post sobre o livro Não me faça pensar.

About author

Estudante de design, escritora e pesquisadora. Atualmente pesquisa sobre a área de design de interação e trabalha como social media freelancer.
Related posts
ArteBlogStreet Art

O breakdance dentro do movimento hip-hop

ArteBlogFotografia

Grandes Artistas #3 - Sebastião Salgado

ArteBlogFotografia

Você sabe oque é fotografia Fine Art?

BlogDesignFilmes

4# Filmes que todo designer deveria ver - Logorama

Se inscreva em nossa Newsletter