Podcast: Novo episódio - As possibilidades e caminhos do UX Design no Mercado Nacional

ArteBlogDesign

Como escrever um roteiro bem estruturado

Como escrever um roteiro

O roteiro é uma das engrenagens principais de um projeto

Esse artigo foi criado no intuito de discorrer sobre as etapas que envolvem como escrever um roteiro bem formulado, seja ele para um projeto, um filme, um podcast ou até mesmo outro intuito, como um planejamento de marketing. O objetivo de se escrever um roteiro é estruturar uma ideia ou intento, a fim de organizar as tarefas e ações necessárias de todos os processos que envolvem essa ideia a ser desenvolvida.

Como escrever um roteiro

Projete suas ideias!

Comece com um planejamento, mapeando os itens principais para colocar a ideia no papel. Essa é a parte aonde você vai concretizar a inspiração para transformá-la em um roteiro. Uma ideia por si só não é suficiente, para começar o processo de escrever um roteiro, você precisa de uma história, com perguntas bem desenvolvidas ou personagens, e mais importante que isso, você precisa de referências.

Continuamente, é imprescindível reforçar que, além da história, também é importante ter bem estabelecido para quem você está escrevendo, ou seja, conhecer seu “público”, saber quem pretende atingir. A melhor maneira de se fazer isso é criando uma persona. Essa figura é o modelo ideal de cliente que você deseja conquistar, deve conter uma idade, classe social, comportamento de compra, gostos, etc. Enfim, toda característica que ache que se encaixa no perfil de pessoa ideal para o seu produto.

Outras questões a serem pensadas são se o seu roteiro será inserido em algum edital ou oferecido a alguma produtora, o objetivo do vídeo, filme, podcast, etc. Comece respondendo a essas e outras questões que ache importante. Assim, você será capaz de criar uma estratégia e ter em mente como torná-la efetiva para que sua ideia saia do papel.

como escrever um roteiro

Foto postada por marinalwang no Flickr

Desenvolva seu enredo

Comece escrevendo seu roteiro como se fosse uma história. Faça uma introdução, apresente os personagens ou contexto e esboce o corpo do desenvolvimento, apontando os eixos que dão estruturação para a sua ideia. Pesquisar bastante para obter boas referências é a maneira mais eficaz de produzir um enredo a partir da primeira inspiração. Os serviços e produtos mais inovadores do mercado surgiram a partir de ideias simples, observações do cotidiano, numa conversa ou ao consumir algum tipo de arte. Sendo assim, a melhor forma de aplicar uma inovação é manter em mente que a adaptabilidade é fundamental para a continuação do programa. A maioria dos artistas buscam inspirações através de outras obras de arte, como filmes, músicas e até mesmo pinturas.

Procure livros, matérias, entrevistas e estudos sobre o mesmo tema. Mantenha perguntas para complementar o seu enredo durante a sua pesquisa, como o que já foi feito e o que pode ser feito para inovar, a abordagem e linguagem ideal para o seu público-alvo e afins. É importante lembrar que um roteiro não conta uma história, ele mostra uma história. Por esse motivo, um roteirista precisa criar ações que conceitualmente traduzem o que ele quer dizer, sem necessitar realmente de utilizar palavras para explicar, como por exemplo, não é no roteiro de um filme que você irá descrever minuciosamente um jardim. Nele, você irá dizer o que acontece no jardim, qual a ação tomada pelos personagens.

como escrever um roteiro

“Qual o fundamento da minha ideia?”

 

Defina a pauta do seu plano

Defina seu conflito se for um filme, se não, uma pauta a ser apresentada, uma vez que todo seu roteiro vai se desenvolver a partir disso. O conflito é um elemento básico da dramaturgia. Na dramaturgia clássica, o conflito é gerado a partir da necessidade do personagem ou os envolvidos, quando ele não consegue cumprir seus objetivos. Nesse sentido, o conflito geralmente vai contra o protagonista, como algo que ele precisa superar.

A maioria dos filmes usa a “jornada do herói”, abordada frequentemente por Carl Jung na psicologia analítica. Nela, Jung explica que todos nós possuímos a “jornada do herói” como tema para o autoconhecimento e ela está presente em todas as culturas e indivíduos. É a caminhada que todos os seres humanos precisam percorrer para descobrirem a si mesmos e orienta qualquer existência humana. A maioria dos roteiristas de filmes usam a jornada como molde para o desenvolvimento do conflito, mas é possível aplicar em outros tipos de trama, pois essa jornada tem como base os arquétipos estudados na psicologia, facilitando o desdobramento da pauta debatida.

roteiro escrito

Foto postada por bekathwia no Flickr

Quando se trata de um roteiro, existem diferentes tipos de conflito a serem apontados. Entre eles, o conflito interno, que se dá entre o personagem e ele mesmo, e o conflito externo, entre o personagem e outro elemento. No caso do conflito externo, ele pode ser de caráter pessoal (entre o protagonista e outros personagens) ou extra pessoal (entre o protagonista e algum elemento não humano, como uma situação ou força da natureza). Os enredos mais complexos costumam abrigar mais de um conflito e vemos um bom trabalho de roteiro quando podemos observar uma resolução coexistente para os conflitos internos e externos da personagem. Todo roteiro tem um conflito essencial que deve ser resumido em uma única frase, sendo essa a premissa*.

*Premissa significa cada conteúdo ou ponto que deve ser detalhado para armar um raciocínio. Em lógica, considera-se premissa cada uma das proposições que compõem um silogismo, assim formando a base da conclusão.

homem escrevendo

Foto postada por pedrosimoes7 no Flickr

Monte seu argumento

O argumento é o estágio em que a história começa a tomar forma. Ele é uma ferramenta de trabalho do roteirista para a extensão do roteiro. Um argumento é mais detalhado do que uma sinopse e também mais encorpado, já que deve inspirar no leitor os sentimentos, emoções e reviravoltas do roteiro. Além disso, é o momento de apresentar todos os personagens ou pautas importantes para o enredo.

Todo argumento deve ser escrito com discurso direto e no tempo presente, mantendo os atos do roteiro. É a descrição de como será o filme ou projeto, um texto que conta de forma simples a história. Deve ter uma leitura agradável e engajadora que mostre o intuito facilmente. Por essas características, o argumento é muitas vezes utilizado como apresentação de um roteiro ou como ferramenta para sua venda.

Foto criada por freepik – www.freepik.com

Escaleta, ou a estrutura do roteiro

A escaleta é o esqueleto do roteiro, o “resumo” de cada cena para demonstrar como a história irá se desenvolver, ou melhor dizendo, uma ferramenta de construção do roteiro, para auxiliar o roteirista a montar a ordem das cenas. Deve conter a indicação e separação das cenas, as situações e ações do personagem ou desenvolvimento dos itens sobre a pauta. Roteiristas profissionais defendem que a escaleta é essencial, é um estudo do roteiro. É nela que o ritmo do filme ou fluxo do intento deve ser acertado e é também quando a ordem da história será apresentada. Uma técnica bastante usada é separar as cenas em cartelas, assim você pode mudar a sequência delas. Post Its coloridos também funcionam, já que cada cena pode ser diferenciada pelas cores.

Mão na massa

Com o argumento escrito e a escaleta determinada, é a vez de se concentrar nos diálogos e escrever o roteiro. É nesse momento que o roteirista tem a oportunidade de adicionar descrições e detalhes à história, ligando uma cena a outra ou incluindo certos direcionamentos para outros departamentos, como a Direção, a Direção de Arte, ou até mesmo a Montagem. Como você já viu por ai, existem padrões de formatação para escrever roteiros e é importante que você os siga.

É sempre atraente gerar mais credibilidade para um podcast, podendo também torná-lo mais popular caso os convidados compartilhem a sua participação em suas redes sociais. Sendo assim, é importante deixar um espaço no roteiro, com maior flexibilidade entre as perguntas para possíveis contra-argumentos e adendos, para assim ter aquela adaptabilidade citada acima. Use palavras chaves, estruture as informações a partir delas. Por fim, não é ideal que tenha textos grandes e com muitos detalhes, mas sim priorizar pequenas informações que podem ajudar a sustentar a discussão. Fica bem mais fácil de seguir um roteiro pequeno e direto em projetos como podcasts.

estilo de vida de cinema Foto criada por freepik – www.freepik.com

Revise!

Com seu roteiro pronto, é hora de passar o pente fino, procure olhar com outros olhos e revisar diversas vezes, sempre lembrando que não é bom se apegar a ideia principal, pois sempre vai se moldar. Para muitas pessoas ajuda ler em voz alta, com diferentes pessoas lendo para variadas partes. Você precisa visualizar cada cena e prever qual a melhor situação que criou, escutar cada frase saindo da boca do protagonista ou visualizar as respostas de cada pergunta. Use palavras simples e que tenham uma boa pronúncia, no caso de um podcast, as pessoas escutam fazendo outras atividades, é interessante o uso de palavras de fácil entendimento, curtas e que sejam pronunciadas com calma e clareza. Garantir que seja de bom entendimento e sendo feita de forma cuidadosa é essencial para a compreensão do texto pelos ouvintes, então atente-se sempre a esses detalhes.

Conclusão

Com seu roteiro na mão, já revisado, é hora de iniciar seu projeto e esperar colher os melhores frutos a partir do seu trabalho. É de suma importância não deixar passar nada na revisão, pois no momento em que der início ao seu desígnio não é possível voltar atrás. Analogamente, nesse momento entra a adaptabilidade mais uma vez, porque assim como tudo na vida tem imprevistos, no seu propósito pode ocorrer também. A versatilidade em situações assim é ideal para não perder a cabeça em momentos inesperados.

Procurando inspiração para escrever um roteiro? Que tal alguns filmes sobre arte e o mundo criativo?

Related posts
ArteBlogFotografia

Você sabe oque é fotografia Fine Art?

BlogDesignFilmes

4# Filmes que todo designer deveria ver - Logorama

BlogDesign

Branding, identidade visual e arquétipos

ArteTipografia

O que é tipografia

Se inscreva em nossa Newsletter